Arte Românica
.

Pouca técnica e muita
criatividade

     Arte românica é aquela que se desenvolveu na Europa nos Séculos 11 e 12. É um termo utilizado primitivamente para a arquitetura do período, derivada da arquitetura do Império Romano, mas sem a mesma tecnologia.

     Por extensão o termo acabou se aplicando também à pintura e escultura da época, expressões artísticas que contaram com bastante inventividade.

     A arte romanesca em geral é caracterizada por sua criatividade na resolução de problemas , tendo lançado as bases para o estilo gótico que lhe sucedeu.

     Igrejas e mosteiros são as principais obras da arquitetura do período. Seus arcos arredondados e o sistema de abóbadas talvez sejam as influências mais diretas da arquitetura do antigo Império Romano.

     A ausência de conhecimentos técnicos e dos cálculos necessários para, por exemplo, abobadar grandes edificações com materiais pesados como a pedra, levaram os arquitetos do período a grandes descobertas.

Decoração expressiva

     Essas construções arquitetônicas eram decoradas com esculturas e pinturas que oscilavam entre efeitos calmos e severos à turbulências da excitação visionária.

     A escultura, em especial, trouxe de volta aos trabalhos o senso de monumentalidade. As figuras retratadas são esbeltas e com deformações que realçam sua expressividade. Há vários exemplos de emprego do relevo.

     A estilização e o alongamento de figuras são típicos da pintura romanesca. Os afrescos, de colorido sóbrio e escuros, também costumam aparecer com freqüência. Não é, entretanto, regra geral. A Igreja de Santa Maria, em Tahul, apresenta a Virgem e a Criança com cores expressivas.

A ilustração de manuscrito é outra importante manifestação da pintura romanesca. A decoração das grandes letras maiúsculas, capitulares, foi então bastante desenvolvida. No museu Britânico podem ser encontrados vários exemplares desses manuscritos.

Fonte: Enciclopédia Digital Master.


voltar ao índice


VISITE O BLOG DA PITORESCO