minifoto.jpg (2682 bytes)
.
Alberto da Veiga Guignard
1896-1962


Fluminense de
Ouro Preto

     «Ouro Preto é a sua cidade, amor, inspiração.» É o próprio pintor que faz, por escrito, nesta singela frase, sua declaração de amor à histórica cidade mineira, antiga capital do Estado, berço de Aleijadinho e inspiração de tantos outros artistas.

     Alberto da Veiga Guignard nasceu em 25 de fevereiro de 1896 em Nova Friburgo-RJ (portanto fluminense) e veio a falecer em 26 de junho de 1962 em Belo Horizonte, sendo sepultado em Ouro Preto, a cidade que muito amou.

     Homem solitário mas não amigo da solidão, alcoólatra não assumido, nascido em berço de ouro mas administrando uma vida de penúria, Guignard carregou consigo dois traumas que lhe modelaram a existência: o primeiro, adquirido aos dez anos, com a morte do pai; o segundo, que o atingiu aos 30 anos, quando foi abandonado pela esposa, após a morte do único filho do casal, de apenas um ano.

     Sua ex-esposa morreu poucos anos depois, em 1930, mas o pintor assumiu a solidão como única companheira. Nunca mais voltou a se casar, arrastando uma existência que se tornaria vazia e insuportável, não fosse sua dedicação à arte, que passaria a preencher seu tempo e seus pensamentos, assim como aos seus discípulos, com os quais tinha uma relação quase paternal.

Por estas mal-traçadas linhas

     Não era mineiro, nasceu em Nova Friburgo e lá viveu seus primeiros anos. Mais do que o apego natural à mãe, sua ligação com o pai era extremamente forte; com ele aprendeu a brincar, a estabelecer seus primeiros contatos com a vida, a descobrir as maravilhas da natureza à sua volta.

     Em 1906, mergulhado em dívidas e sem perspectivas de melhora, o pai, ao limpar uma arma, sofreu um «disparo acidental» e veio a falecer. Acidente, suicídio, ou mesmo assassinato, ninguém jamais o saberá.

     Recebido o dinheiro do seguro, sua mãe conseguiu saldar as dividas deixadas pelo marido e, um ano depois, casava-se com o barão Friedrich von Schilgen, com o que a família foi viver na Europa, onde Guignard concluiu seus estudos elementares.

     Aos vinte anos, decidiu seguir a carreira artística e matriculou-se na Academia de Munique, onde ficou por cinco anos, vindo ao Brasil em 1924, quando participou do Salão Nacional de Belas Artes.

     Depois, viajou outra vez para a Europa, de onde voltou em 1929, fixando residência no Rio de Janeiro, onde se empregou como professor de pintura.

A «escolinha» de Guignard

     A vida de Guignard sofreu uma mudança radical em 1944, quando o prefeito de Belo Horizonte, Juscelino Kubitschek de Oliveira o convidou para montar uma escola de artes na capital mineira, objetivando passar sua visão moderna de arte a pintores mineiros em ascensão.

     É sabido o grande interesse de JK pela arte moderna, acreditando por isso que a experiência adquirida por Guignard na Alemanha, em contato com os mestres Herman Groeber e Adolf Hengeler, poderia ser passada a seus novos discípulos, criando uma nova perspectiva nos jovens pintores de Minas Gerais.

     Foi um casamento perfeito. Guignard se afeiçoou aos pupilos como se fossem seus próprios filhos e estes, em contrapartida, o reverenciavam como o grande mestre. Esta parceria, valiosa para os novos artistas e para a cultura mineira, jamais se desmancharia. O pintor viveu em Minas Gerais desde 1944 até sua morte, em 1962, quando a escola recebeu oficialmente o nome que, carinhosamente, os alunos sempre lhe deram: «Escolinha de Guignard.»

     Ele próprio descreve, com um toque de ironia, seu apego à escola e aos jovens artistas, numa pequena nota autobiográfica:

     «Fundou a Escolinha de Guignard, que tem vivido por milagre e amor de alunos e mestre, e aqui mesmo ensinou a arte a diversas gerações de jovens. Adora ser cercado pela juventude, principalmente moças bonitas, e Ouro Preto é a sua cidade, amor, inspiração.»

Milagre, amor e miséria

    Milagre e amor foram os sustentáculos deste artista, que não enriqueceu fazendo arte e sequer ganhou o suficiente para satisfazer suas necessidades básicas de sobrevivência. Passou a vida morando em simples quartos de pensão. Ao final, seu estado de penúria era tamanho, que uma Fundação foi criada para dar-lhe o amparo de que necessitava e para garantir a preservação de sua obra, que poderia desaparecer no anonimato, por falta de catalogação.

     Guignard participou dos Salões de 1924, 1929, 1939 e 1942, no Rio de Janeiro; realizou algumas exposições individuais dentro e fora do país; marcou presença na 1ª Bienal de São Paulo. Houve, ainda, várias exposições após sua morte, a maioria delas em Belo Horizonte.

     Fluminense por nascimento, mas mineiro por opção, registrou, na maioria dos seus quadros, as belezas naturais de Minas Gerais, em especial de Ouro Preto, deixando marcada vividamente, nas cores brilhantes de sua paleta, toda a dedicação que devotava às Alterosas. (Texto de Paulo Victorino)
.


A ESCOLINHA DE GUIGNARD -
UMA SEMENTE QUE DEU FRUTOS

    A Escola Guignard - UEMG tem origem oficial no decreto municipal de Belo Horizonte, 28 de fevereiro de 1944, assinado pelo prefeito Juscelino Kubitschek.

     Apesar das necessárias mudanças, a Escola Guignard guarda, em seu ideário, o espírito de Guignard que se revela na reverência pela natureza e no amor pela humanidade.

     Seu maior mérito foi o de acreditar na potencialidade do aluno, tendo como lema o binômio: liberdade e criatividade.
.

 


VISITE O BLOG DA PITORESCO
.

 

Clique Notícias e Informações