foto2.jpg (2447 bytes)

Ivan Serpa
1923-1973


Um curso de artes
só para crianças

     O jovem mestre saiu animado e com a cabeça cheia de planos. Acabara de ser contratado pelo Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro para dar aulas livres de pintura a crianças que apresentassem talento e interesse pela arte.

     Para Ivan Serpa – o mestre de quem falamos – não era tudo o que ambicionava, mas já era um bom começo. Com 29 anos, iniciava a carreira ligando seu nome a uma instituição ainda nova, mas que lutava para romper com a tradição acadêmica, criando um espaço para a renovação.

     Com efeito, o MAM tinha, em 1952, apenas quatro anos de existência. Uma existência mais no papel do que efetiva. Fundado em 1948 por um grupo de colecionadores, não possuía acervo nem sede própria. Uma agência bancária do Rio de Janeiro cedeu espaço e as obras expostas também foram emprestadas pelos homens que lideravam o empreendimento.

     Em 1951, assumiu a presidência da instituição a Sra. Niomar Muniz Sodré Bittencourt, cujo marido, Paulo Bittencourt, era diretor e proprietário do Correio da Manhã, um dos mais prestigiosos jornais em circulação na cidade.

     Foi então que as coisas começaram a mudar. O Ministro da Educação e Cultura, Simões Filho, cedeu um amplo espaço aberto, por entre as colunas de sustentação do Palácio da Cultura. Oscar Niemeyer encarregou-se do projeto que, em poucos meses, transformaria a área num dos mais acolhedores ambientes artísticos do Rio.

     O novo museu foi inaugurado em 15 de janeiro de 1952 com uma polêmica exposição, dando a público o que de melhor se fazia em arte dentro e fora do país.

     Dentre as obras expostas, se achavam também aquelas premiadas no ano anterior pela 1ª Bienal de São Paulo. E dentre estas, o quadro Formas, do pintor Ivan Serpa, o que motivou o convite, prontamente aceito por ele, para dar aulas no Museu.

Vencendo a força
da inércia

     Para se compreender bem a importância do trabalho que se iniciava, é preciso lembrar que, até a década de 40, a arte moderna era tocada no peito e na raça, com muitos artistas promissores e outros com nome já feito, mas nenhuma instituição de peso que orientasse e coordenasse os movimentos.

     Em 1948, industriais do Rio de Janeiro e de São Paulo, tomaram a dianteira para criar essa estrutura: no Rio de Janeiro, liderados pelo colecionador Raimundo Ottoni de Castro Maia; em São Paulo, por Francisco Matarazzo Sobrinho (Don Ciccillo), auxiliado por Assis Chateaubriand Bandeira de Melo que, assim como fizera com o MASP, também deu abrigo ao MAM na sede dos Diários Associados, no centro velho de São Paulo. O museu paulistano se inaugurou com a exposição: Do Figurativismo ao Abstracionismo.

     No Rio de Janeiro, a instituição ficou a busca de rumo por longos quatro anos. São Paulo, antecipando-se, deu os primeiros passos efetivos: em 1950 selecionou um grupo de valorosos artistas e, pela primeira vez, o Brasil se fez representar na Bienal de Veneza, com tal sucesso que no ano seguinte, na própria sede do MAM-SP se realizava a 1ª Bienal de São Paulo, marca inicial de outras Bienais que, no correr do tempo, se espalharam por todo o Brasil.

     Nessa altura, como dissemos, o MAM-RJ, já reoganizado, inaugurou sua nova sede e realizou uma exposição, incluindo entre as obras expostas, também aquelas que já haviam sido premiadas na Bienal de São Paulo.

     A década de 50 funcionou, pois, como um divisor de águas, em que venceu-se a força da inércia. Nesse processo, Ivan Serpa teve participação ativa, pelo efeito multiplicador originado de sua atuação no magistério.

O mestre dos
grandes mestres

     Ivan Serpa nasceu na cidade do Rio de Janeiro em 1923 e, aos 23 anos, iniciou seus estudos com o gravador austríaco Axl Leskoschek. Assimilando bem os ensinamentos do mestre, já no ano seguinte começou a participar das exposições realizadas na Divisão Moderna do Salão Nacional de Belas-Artes. Em 1951, inscreveu-se na 1ª Bienal de São Paulo e conseguiu seu primeiro prêmio, com o quadro Formas.

    Lecionando para crianças, no MAM-RJ, com bom retorno em termos de resultados, aceitou a incumbência de ampliar o projeto, organizando um curso livre também para adultos, tendo, entre seus primeiros alunos, Aluísio Carvão (1920) e Décio Vieira (1922-1988).

     Uma característica do mestre era o permanente questionamento da arte e dos entraves que tinham de ser removidos para permitir o avanço dos novos pintores que começavam a surgir, alguns deles com enorme potencial, dentro de um exíguo mercado.

     Percebendo que o momento exigia união de todos e participação conjunta na abertura do mercado, incentivava-os a transporem os limites das salas de aula, buscando entre si soluções para os problemas com que se defrontavam.

     Muitas reuniões se realizaram na casa do próprio mestre. Depois, os alunos começaram a se revezar, cedendo suas próprias casas para os encontros e debates. Por fim, concluiram que chegara o momento para organizar um grupo oficial, que se encarregaria de promover eventos e divulgar seu trabalho.

O «Grupo Frente»

     Por volta de 1954, reuniram-se em torno de Ivan Serpa vários de seus alunos, para a criação de um núcleo de arte, chamado «Grupo Frente», cujo nome singular é explicado pelo escritor e poeta Ferreira Gullar, também participante:

      «Eu tinha mania de escrever poemas em papel. Pegava várias folhas cortadas ao meio, colocava uma capa de papel comum, de embrulho, papel pardo, e grampeava tudo. Costumava andar com aquilo na mão, e como a capa era igual dos dois lados e eu não queria escrever nada, coloquei a palavra frente só para saber de que lado deveria abrir.

     «Um dia, cheguei com um desses cadernos no curso do Ivan. Lá estavam seus alunos e o escritor Macedo Miranda. Coloquei o caderno sobre a mesa, o Ivan olhou e disse: que coisa legal. Abriu e perguntou: o que quer dizer isto? Eu respondi: nada. A palavra está aí só para indicar por onde devo abrir. Mais tarde Ivan me disse: "sabe, eu vou dar o nome Frente ao nosso grupo "».

     O grupo aceitava pintores de todos os gêneros, inclusive figurativistas e, segundo Ivan Serpa, a única condição era romper com as formulas pasteurizadas da velha academia, dispondo-se a questionar a arte e caminhar pelos próprios pés.

     Iniciando-se com Aluísio Carvão, Silvio Costa, Vincent Ibberson, Carlos Val, Décio Vieira e outros, foi recebendo contínuas adesões como as de Lígia Clark, Lígia Pape, Cesar Oiticica e Hélio Oiticica.

     Na sua curta existência de dois anos, realizou quatro exposições: na Galeria do Instituto Brasil-Estados Unidos (Praia do Flamengo); no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro; no Itatiaia Country Club de Resende e na sede da Cia. Siderúrgica Nacional, no Rio de Janeiro.

     A extinção do «Grupo Frente» foi uma conseqüência natural do crescimento de prestígio de muitos de seus participantes, os quais passaram a encontrar condições de prosseguir na luta, cada um por seu próprio caminho.

Primeiro os outros,
depois ele próprio

     Ivan Serpa não teve vida longa. Faleceu em 1973, com 49 anos de idade. Sua carreira, desde a estréia no Salão Nacional de Belas-Artes até a morte durou apenas 25 anos. Trabalhando incessantemente, realizou uma vasta obra, participou de um sem número de exposições e deixou patente sua qualidade de artista.

     Mas foi no ensino, talvez, que ele realizou a parte mais importante da missão que teve em vida. Como professor do curso de pintura livre do MAM-RJ, formou inúmeros artistas que se projetaram no cenário nacional e pelo menos um deles, Aluísio Carvão, seguiu-lhe os passos, vindo a lecionar na mesma Instituição onde aprendera, com o mestre, os fundamentos da pintura moderna.

   Ivan Serpa, o professor, não era um burocrata em busca do salário. Era um mestre, na melhor acepção da palavra. Dotado de uma inquietação experimental, não aceitava qualquer resultado como a palavra final, mas sim como o início de uma nova busca. Essa inquietação, ele a transmitiu aos alunos, ensinados que foram a procurar sempre novas alternativas que os diferenciassem dos demais.

    Esse efeito multiplicador foi a grande contribuição deixada para as artes plásticas no Brasil. A um artista, é consagrador ter sido um discípulo de Ivan Serpa. Ao mestre, é um prolongamento da própria vida na arte daqueles a quem ensinou os primeiros passos e, sobretudo, nos quais incutiu o sentimento do inconformismo criativo, propulsionador das grandes mudanças.

(Texto de Paulo Victorino)


VEJA IMAGENS
.

VISITE O BLOG DA PITORESCO