Antônio Parreiras
1860-1937
.


Texto do livro de Laudelino Freire
"Um Século de Pintura" (1816-1916)
.

     Antônio Parreiras é natural de São Domingos, Niterói, Estado do Rio de Janeiro. Estudou com Jorge Grimm, juntamente com Hipólito Caron, Vasquez e Ribeiro. Muito cedo se tornou independente nos estudos, que os fez por si.

     Artista de superior talento, tem tido uma carreira original, sempre isolado consigo mesmo, cheio de audácia, invencível no esforço e com espantosa capacidade de trabalho. A sua obra é vastíssima, desordenada, cheia, alternadamente, de luminosidades e descaimentos, correspondentes à sua natureza impulsiva.

     É um artista sui-generis em nosso meio: combatido e invejado, mas nunca esmorecido. Tem feito entre nós cerca de trinta exposições dos seus trabalhos, afora as que tem feito no estrangeiro. É um vitorioso na colocação de seus quadros, podendo-se adiantar que é, talvez, o mais abastado dos pintores nacionais e um dos raros que tem vivido dos resultados da sua arte. Viaja continuamente pelo estrangeiro e tem, além do daqui, um ateliê em París, onde várias vezes concorreu ao Salão.

Tem tentado todos os gêneros. Começou por ser paisagista, dando-nos interessantes quadros, como seja o seu Sertanejas. Mais tarde, depois de ter viajado para a Itália, fez-se pintor animalista, produzindo Ovelha Ferida, Esperando o anzol, Morte do Pastor, Carro de bois, etc.; fez-se pintor de costumes, como o atestam Carnaval na roça, Lar infeliz, Saudades, Tormenta, Recordações do passado, Arte e miséria.

Passou, em seguida, a pintar o nu, dando-nos Fantasia, Pirinéia, Dolorida, Flor brasileira e Nonchanlance [Displicência]; e, finalmente, hei-lo pintor histórico, com as telas Conquista do Amazonas, Fundação de Niteroi, Fundação do Rio de Janeiro, Fundação de São Paulo, Proclamação da República Riograndense, e outros.

Além dos já referidos, conhecemos: Pescador de traíras, Vencido, Aretusa, Morte de Estácio de Sá, A tarde, Depois da trovoada, Funeral em São Doná, Pescadores do Adriático, Turbínio, Parque abandonado, Brejal, Final da Tragédia, Praia de Icaraí e outros.
.


01.jpg (67536 bytes)
Zumbi


02.jpg (65526 bytes)
Iracema

Clique Notícias e Informações